Instalando OpenCV no MacOS Mountain Lion

Para a instalação do OpenCV no MacOS Mountain Lion, sugiro instalar o MacPorts.

A grande vantagem de se usar o MacPorts é que a instalação de dependências será facilitada e uma vez instalado o OpenCV podemos optar pela compilação usando o G++ ao invés de usar o XCode. Essa é uma excelente opção quando estamos gerando  o código portável para outras plataformas.

Após dedicar algum tempo tentando diferentes instaladores, cheguei a esse procedimento que funcionou perfeitamente no MacOS Mountain Lion.

1 – Remova o Python que vem instalado no Mac. Durante a instalação do OpenCV a versão 2.7 do Python será instalada como dependência pelo MacPorts. Caso o Python não seja removido, haverá um erro durante a instalação da dependência do Python no OpenCV através do MacPorts durante a tentativa de sobrescrever o Python.

sudo rm -rf /Library/Python/

2 – Instale o MacPorts

3 – Após instalação do MacPorts aplique o comando abaixo, para garantir que o port esta atualizado :

sudo port -v selfupdate

Uma mensagem desse tipo deve aparecer :

Updating MacPorts base sources using rsync
receiving file list … done

4 – Vamos proceder a instalação do Python no MacPorts.

sudo port install python27
Esse processo leva algum tempo já que serão aplicadas todas as dependências para funcionamento do Python.

5 – Vamos proceder a ativação do Python como default para o MacOS.

sudo port -f activate python27

6 – Agora vamos a instalação do OpenCV através do MacPorts:

sudo port install opencv configure.compiler=llvm-gcc-4.2

Esse processo também leva tempo dependendo da velocidade de conexão com a internet. Uma vez que o processo instalará diferentes pacotes como ffmpeg, libjpeg, libtiff, jasper, libpng e etc…

Ao término da instalação, será apresentada a seguinte mensagem :

—> Staging opencv into destroot
—> Installing opencv @2.4.2_2
—> Activating opencv @2.4.2_2
—> Cleaning opencv
—> Updating database of binaries: 100.0%
—> Scanning binaries for linking errors: 100.0%
—> No broken files found.

Pronto!

 

 

Afinal o que é ser resiliente ?

Antes de mais nada vamos ver a definição de resiliência segundo a Wikipedia :

Resiliência ou resilência é um conceito oriundo da física, que se refere à propriedade de que são dotados alguns materiais, de acumular energia quando exigidos ou submetidos a estresse sem ocorrer ruptura. Após a tensão cessar poderá ou não haver uma deformação residual causada pela histerese do material – como um elástico ou uma vara de salto em altura, que verga-se até um certo limite sem se quebrar e depois retorna à forma original dissipando a energia acumulada e lançando o atleta para o alto.

Atualmente resiliência é utilizado no mundo dos negócios para caracterizar pessoas que têm a capacidade de retornar ao seu equilíbrio emocional após sofrer grandes pressões ou estresse, ou seja, são dotadas de habilidades que lhes permitem lidar com problemas sob pressão ou estresse mantendo o equilíbrio.

Ou seja, um profissional resiliente é aquele que possui a característica de se manter flexível e não romper mesmo sob forte pressão.

Grandes gestores devem ser a vara, que é capaz de se manter flexível mesmo sobre grande pressão e ainda assim capaz de alavancar pra cima dissipando a energia acumulada.

Mas o que seria forte pressão ? Como medir a pressão no ambiente de trabalho. Não seria esse um conceito difícil de mensurar e que também depende de como a pressão esteja sendo aplicada ?

Mesmo o mais flexível dos materiais tem um ponto de ruptura.

 

Things 2 vs Remember the milk

Desde que li o livro de David Allen sobre o GTD (Get things done) há alguns anos, me interessei pela metodologia e tenho buscado uma ferramenta para gerência de atividades onde possa concentrar tarefas, listas e áreas e que seja possível usar no mobile, desktop e que preferencialmente tenha uma aplicação Web para uso quando em um computador que não seja o meu notebook.

Durante a busca pela solução ideal, experimentei diversas ferramentas e vou tentar fazer alguns posts com minha impressão sobre as funcionalidades que encontrei em cada solução.

Things

Tenho usado o Things ( Cultured Code ) desde a versão beta ( 0.89 ) e aprecio a jornada que o time da Cultured Code com o seu produto.

O Things surgiu em 2008 como uma ferramenta GTD para Iphone. Algum tempo depois eles lançaram uma versão para Mac com sincronismo através de rede wireless e posteriormente uma versão para iPad.

Recentemente, os apps foram migrados para sua segunda versão, batizada de Things 2, com suporte a sincronismo através da nuvem, que foi chamada de Things Cloud.

Remember the milk

Durante o meu período de insatisfação com o sincronismo através do wifi utilizado pelo Things, resolvi experimentar outras ferramentas. Acabei assinando uma conta paga do remember the milk e gostei muito.

A ferramenta possui integração para criação de tasks por e-mail, sua interface e teclas de atalhos para a aplicação web são muito úteis.

Comparativo

Funcionalidade Things 2 RTM
Sincronismo na nuvem * *
Tarefas cíclicas * *
Syncronismo na nuvem * *
Áreas de interesse *
Agendamento por hora/minuto *
Suporte a tags * *
Criar tarefas por e-mail *
Compartilhamento de tarefas *
Web App *
Custo Preço por app 24 USD por ano

Conclusão

Embora eu goste muito do RTM, não gosto da idéia de pagar anualmente por um serviço. Além disso, a falta de suporte a áreas de interesse é algo que realmente faz falta na aplicação.

Quanto ao Things, a inclusão de sincronismo através da internet possibilitou a Cultured Code voltar a briga. Mas ainda falta uma aplicação Web para liberar o usuário de controlar tarefas sem usar o aplicativo residente.

Como coursera pode te ajudar a aprender

Configuração de domínio usando Gmail e iOS

A configuração padrão do GMail no iPhone/iPad não permite que os e-mails de saída sejam enviados através de um endereço de e-mail diferente da conta Gmail configurada. Para ter essa funcionalidade, é necessário criar uma configuração avançada no iPhone.

Importante: Caso exista uma conta de GMail configurada no dispositivo iOS com o usuário desejado, o acesso a funcionalidade de e-mail deve ser desabilitado. Caso contrário, o iOS não deixará configurar a nova conta, informando que essa conta já esta configurada. A conta não precisa ser removida, basta desabilitar a opção “Mail” na configuração da conta. Esse tutorial foi criado utilizando o iOS6. Pode haver alguma diferença entre as versões anteriores, mas essa é uma configuração que já existia, pode haver alguma diferença entre opções de menu. Passos a serem executados:

1 – Entrar no “Ajustes” do seu dispositivo;

2 – Escolher a opção “Mail, Contatos e calendários

3 – Na opção “Contas“, escolher “Adicionar conta…

4 – Será aberta uma tela com diversar opções de contas pré-configuradas, embora a conta a ser criada no iPhone/iPad seja uma conta Gmail, não escolheremos essa opção. Utilizaremos a opção “Outra“;

5 – Como a conta é uma conta de e-mail, escolha “Conta do Mail” na tela seguinte.

6 – Preencha o formulário “Nova Conta” com as configurações a seguir:

Nome: Seu nome completo

E-mail: E-mail do domínio desejado, por exemplo: contato@fabioribeiro.com.br, esse será o endereço de e-mail que as pessoas receberam.

Senha : Aqui vai a sua senha da conta Gmail

Descrição: Por exemplo, nome do domínio

Ao clicar no botão “Seguinte“, o iOS fará algumas verificações e passará para a tela de configuração detalhada.

7 – Na tela de configuração detalhada, inserir as seguintes informações “IMAP“:

Os campos configurados na tela anterior serão exibidos, então, passaremos as configurações dos servidores de entrada e saída:

Servidor de entrada

Nome do Host: imap.gmail.com

Nome de Usuário: Seu endereço de e-mail GMail

Senha: Estará preenchida, pois fizemos na etapa anterior. Essa é a sua senha do G-mail

Servidor de saída

Nome do Host: smtp.gmail.com

Nome de Usuário: Seu endereço de e-mail GMail

Senha: Sua senha da conta GMail

Após o preenchimento, o dispositivo fará a verificação dos dados informados junto ao servidor, se tudo estiver certo, será apresentada uma última tela para salvar as configurações.

Ao entrar no aplicativo de e-mail no seu dispositivo, você terá acesso a sua conta GMail, porém todas as mensagens enviadas serão preenchidas como mensagens do e-mail do seu domínio.

Para evitar que seus e-mails possam ser sinalizados como Spam, sugiro que faça a configuração de recebimento de e-mails de outras contas no GMail.